10 anos com Java. Relembrando…

Hoje me dei conta que há exatos 10 anos atrás, em agosto de 2004, tive meu primeiro contato real com o Java. Apesar de nesses 10 anos não ter trabalhado apenas com Java, ela foi meu principal “ganha-pão”. Nesse post faço uma volta ao passado para relembrar como eram as coisas nessa época.

Começei a programar muito novo, ainda criança, brincando de mover a tartaruguinha do Micromundos com Linguagem Logo. Na pré-adolescência e início da adolescência brincava muito com Basic e Pascal, tudo console, e mais pra frente Visual Basic, Delphi já no Win 32. E foi no ensino-médio técnico que a coisa ficou séria, quando aprendí C/C++ e o bom e velho PHP com pacotão Web (HTML+CSS+JavaScript), garantindo meus primeiros freelances. Mas foi só em agosto de 2004, quando inciei a graduação em Ciência da Computação, que me enfiaram o Java goela abaixo pela primeira vez. Era uma recomendação da SBC na época. As universidades todas seguiam tal tendência, já que era uma plataforma livre e o mercado de Java na época estava quente.

E assim, durante a graduação usei Java para tudo: construir aplicativos console, desktop, web e mobile; exercitar o conceito de cliente/servidor e técnicas de arquitetura paralela e distribuída; estudar algoritmos, estruturas de dados, grafos, orientação por objeto e quase todas os assuntos que envolviam programação no curso. E apesar de diversos trabalhos enquanto estudante, foi só em 2007 que tive meu primeiro contato realmente profissional com Java em uma empresa de desenvolvimento.

Em 2004 Java era um terreno ainda em exploração. Estávamos na JDK 1.4, mas muita gente ainda usava a 1.3. Ainda falava-se muito em Java applets como uma grande vantagem, mas ele já havia definitivamente perdido espaço para o Flash. De fato muito sites corajosos (não eram só os sites de banco) usavam applets para alguns propósitos, principalmente interativos. Java Desktop também era muito bem visto, mas ainda havia muita referência baseada em AWT ao invés do SWING. Java FX nem sonhava em existir! E como essa história de levar tudo para a Web ainda estava acontecendo (e o Java EE teve papel importante no patrocínio dessa transição), teve muito manolo que optou por fazer sistemas desktop cliente/servidor enormes, com muito RMI (o RCP do Java), ao invés de partir para o uso de EJBs. Aliás, EJB foi um recurso arquitetural nobre que o Java incentivou desde muito cedo e que até hoje é sub-utilizado, dando lugar para soluções com desenhos vergonhosamente pouco sofisticados.

Lembro-me também da hype sobre Java ME e das promessas sobre o Mobile, muito antes dessa realidade dos Smartphones atuais. Os professores e evangelizadores da tecnologia falavam muito sobre a questão do Java ser multi-plataforma e de poder ser usado em aplicações embarcadas de hardwares específicos. Mas acho que pouca gente teve contato com essa parte. Quem carregou o Java pra frente no Mobile foi a Nokia em sua época de ouro. Suporte ao Java era uma feature a ser observada na compra de um aparelho novo. Cheguei a ver inúmeras vagas de emprego de empresas que faziam aplicativos para celular, e tenho ainda conhecimento de alguns colegas que participaram de soluções de software corporativas baseada em outros Handhelds que usavam Java, como os Palm.

Pra fechar, destaco o Java EE, que julgo ter sido a perna do Java que mais cresceu. Em 2004 quem soubesse Servlet e JSP básico já era disputado pelo mercado. O conceito de MVC ou o simples conceito de divisão em camadas despontava como tendência, e quem diria que iria durar tanto tempo. Mas pouco se falava de JSF e muito menos de Spring. O que alguns usavam era o Struts para ajudar com o vai-e-vem dos servlets. A efervescência dos frameworks ainda iria começar: muitos surgiram e muitos desapareceram. E alguns viraram especificação! Algumas soluções de ORM existiam, e o Hibernate ainda não era unanimidade (muito menos existia JPA). Lembro de dar manutenção em um projeto que usava Apache IBatis p/ ORM (nunca mais ouví falar). Aliás, unanimidade mesmo era que precisávamos de muito XML pra fazer qualquer coisa em projetos web. Annotations só vieram na JDK 1.5…

Fica a saudade dessa época onde o Java era uma terra de oportunidades e uma grande novidade. O legado deixado é enorme, o que me leva a crer que vamos demorar a deixar de escutar o nome “Java” por aí (seria o novo Mainframe?). Há ainda quem diga que se tornou uma ferramenta implacável no cinto-de-utilidades do programador, ao lado do C/C++ por exemplo (todos anos a fio no Top 5 do Ranking TIOBE). Por fazer parte da minha história, torço para que a plataforma continue se adequando aos novos ventos e gerando oportunidades!

Um comentário em “10 anos com Java. Relembrando…”

  1. Bom relato.

    O Java não evoluiu tão rapidamente no mundo mobile quanto deveria e morreu rápido.

    Quanto ao EJB, todo mundo pensa ainda no EJB 2.0 e 2.1, enquanto a partir do 3 o jogo é outro. Talvez se a Sun tivesse mudado o nome na versão 3 ele seria usado amplamente como deveria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *