O Ócio Nocivo nas Redes Sociais

Aqui vou eu fazer um post criticando os posts da Internet. Mas creio ser uma contradição razoável.

Talvez você, assim como eu, esteja sentindo mais desprazer do que prazer ao usar as redes sociais. Mas antes de abonimá-las, lembremo-nos de que o mal quase sempre está no homem, nunca nas coisas. O pai da aviação, Santos Dumont, suicidou-se aos 59 anos, angustiado por ver seu invento usado em guerra. E nós? Que uso estamos dando para esse ambiente moderno de fácil comunicação que é a Internet? Sob essa luz lanço um desafio: vamos trocar esse novo vício de ficar contemplando por horas a timeline e os perfís das pessoas no Facebook por outra atividade, de preferência fora da Internet? O prêmio é ser feliz.

Vá ler livro ou uma revista, pode até ser de fofoca, ou mesmo um quadrinho antigo da Turma da Mônica. Aprenda um instrumento musical, ou pratique uma nova música. Aprofunde-se em outro idioma. Veja um filme ou uma série. Tire um cochilo no sofá. Arrume uma gaveta. Separe roupas que você não usa para um bazar beneficente. Imprima as fotos daquela viagem, faça um álbum e convide alguém pra ver. Visite um parente. Cuide de uma planta. Adote um animal. Faça uma caminhada até à padaria e espere a próxima fornada quentinha do pão. Cozinhe uma receita nova. Lave a louça, se estiver afim. Debruce na varanda ou sente-se no banco da praça e veja o vai-e-vem das pessoas. Monte um quebra-cabeça. Faça um artesanato. Faça uma planilha com as finanças. Organize na prateleira os livros que você nunca vai ler por ordem alfabética de autor. Depois reorganize-os por ordem de tamanho, ou cor. Olhe pro teto ou pro chão por horas, imaginando o que fazer caso ganhasse na mega-sena, mesmo que você nunca jogue. Enfim. Só não se perca novamente lá nas redes sociais, colhendo infelicidades gratuitas o tempo todo.

Tá certo que toda tecnologia sofre críticas quando surge, e já sobrevivemos a muitas delas: televisão, telefone, computador pessoal, video-game, celular e a própria Web. Mas algo me sugere que o ócio já foi muito menos nocivo para a nossa psique antes de toda essa hipnose nas redes sociais. Talvez não estejamos preparados para tamanha facilidade de interação social que essas plataformas nos proporcionam. Pensar, discutir e argumentar é saudável. Mas decididamente não precisamos conhecer a opinião de todos sobre tudo o tempo todo, assim como não precisamos formar e emitir opinião sobre tudo o tempo todo. Essa pressão está nos implodindo!

Um comentário em “O Ócio Nocivo nas Redes Sociais”

  1. Oi Rafael,
    Excelente reflexão !
    Certa vez eu estava em uma choperia, no final da tarde, aguardando minha esposa quando um casal jovem sentou em uma mesa próxima a minha. Desde o momento que eles fizeram o pedido ao garçom até o momento em que eu fui embora, eles não trocaram uma palavra, um abraço ou nenhuma outra forma de contato. Cada um deles estava fechado em seu próprio mundo, navegando em seu smartphone. Nada contra as redes sociais, mas eu acredito que esteja havendo um exagero ou distorção do uso dessas ferramentas. Tenho observado, até com certa tristeza, que acompanhar nas redes sociais o que outras pessoas estão fazendo ou postar que está fazendo algo, está sendo mais importante do que o próprio ato de fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *