O perigo da Deep Web

Após ouvir falar da Deep Web resolví verificar do que se tratava. O conceito é simples: existe uma parte da web que pode ser visualizada, já que foi indexada por importantes sites de buscas ou pode ser alcançada a partir de links de sites populares e é chamada de Surface Web (Web da Superfície); existe também uma parte da web que não pode, ou não deseja, ser alcançada, e é chamada de Deep Web (Web Profunda). Teoricamente um site da Deep Web nunca deveria ser alcançado, senão por alguem que guarde seu endereço “desconhecido” e não dependa de terceiros para chegar até ele.

Associado a esse conceito simples, há todo um movimento por navegar de forma anônima na web e acessar sites com conteúdo ofensivo ou proibido. Mas o que uma coisa tem a ver com a outra? Esse tipo de site não sobrevive na Surface Web. Os mecanismos de busca penalizam tais sites e deixam de listá-los, geralmente por questões legais ou denúncias. Da mesma forma, sites de hospedagem, plataformas de blog e outros meios de divulgação de conteúdo na Web deixam bem claro em seus termos de compromisso que não se pode veicular nenhum tipo de conteúdo ilegal ao utilizar o serviço. Sendo assim, um site que por exemplo se propõe a ensinar a fabricar bombas, cometer suicídio ou promover a pedofilia, naturalmente não tem vez na Surface Web e acaba sendo banido rapidamente. Isso se dá pois alguém tem que se responsabilizar pela ilegalidade.

É justamente aí que entra o lance do anonimato na rede. Havendo uma forma de utilizar a web sem que ninguem saiba quem são os donos e os visitantes dos sites, abre-se caminho para uma Web sem-lei, onde é difícil incriminar alguém. Dessa forma, esses sites tentam existir em uma outra Web, onde é bem mais difícil saber quem são os “culpados” pelos atos ilícitos. Curiosamente, os usuários assumiram que essa outra Web, anônima, seja também a Deep Web. Mas há diversas discussões filosóficos em torno do assunto, pois anonimato e alcance de sites são conceitos disintos, mas que parecem andar juntos. Percebam uma tendência estranha: existe uma web visível, e existe uma web invisível. De certa forma, os fatos mostram que tudo que é “legal”, acaba sendo visível, pois as pessoas podem acessar, podem referenciar, os buscadores podem listar, sem problemas com a lei. Naturalmente, o que sobra na parte “invisível”, são as coisas ilegais. E para “ver” essa parte “invisível”, as pessoas preferem navegar de forma anônima, já que o risco de esbarrarem em algo ilegal é grande. Eis o elo!

Um dos pilares tecnologicos que faz essa Deep Web (ou a Web Anônima) existir é o projeto TOR (https://www.torproject.org/). TOR é uma tecnologia que faz com que toda sua ação na web seja mascarada por camadas e mais camadas de criptografia. Fica praticamente impossível computacionalmente falando descobrir a origem de um acesso feito a um site. O projeto é mantido com intuito de promover a navegação anônima, com um tom de “protesto”, alegando que não deveriamos ser rastreados e defendendo a liberdade.  Naturalmente, a tecnologia caiu nos braços de malfeitores que a utilizam para criar uma Web paralela, anônima, que tem sido associada ao conceito de Deep Web por permitir acesso a conteúdos bizarros, onfensivos, ilegais, que nunca seriam encontrados por vias comuns como Google.

Afim de verificar a “propaganda” (nada boa) dessa Deep Web, baixei o navegador do TOR e acessei alguns sites com listagens de links da Deep Web (perceba que nesse momento, deixou de ser Deep, pois está escancarada). Infelizmente, não se vê muita coisa útil, e, para piorar, ao visitar os links você acaba esbarrando em muita coisas ruins como: venda de drogas, contratação de crimes, pornografia, bizarrices, coleções de fotos de atrocidades, auto-mutiliação, e muitos outros assuntos que, francamente, não precisariam ser acessados por ninguém que deseja se manter dentro da lei e em bom estado de sanidade mental.

Se por um lado achei a tal Deep Web apenas um conceito teórico simples, na prática concluí que não se trata de coisa boa. O tal discurso da liberdade e do anonimato acaba sendo uma ferramenta que permite que crimes como a pedofilia sejam incentivados. Que liberdade é essa que envolve a vida de inocentes? Se algo nao é bom para ser feito/dito na vida real, porque ela deve ser publicada no mundo virtual? Enfim, discussões mil podem ser feitos em cima dessa tal “liberdade” que acaba sempre sendo utilizada de forma errada…

9 comentários em “O perigo da Deep Web”

  1. acessar a deep web é ilegal ou só se caracteriza como crime se vc acessar sites de vendas de drogas, ou de contratos de assasinados ou até mesmo de pedofilia? como vc msm disse paginas de coisas que vc n queria ver pipocaram na sua cara, caso aconteça de abrir algum pop up de algum desses assuntos citados anteriormente sei la a policia federal bate na minha porta ou algo assim? estou muito interessado em saber como é a deep web, pois queria buscar alguns livros sobre segredos religiosos como o Undervick Mosckedovarko, dizem q tem segredos pesados q a igreja faz de tudo pra esconder, belo post, n achei a data que isso foi postado intão pode ser realmente antiga essa postagem ou n, aguardo resposta.

    1. Olá Valdir. O texto é recente, fiz ainda em 2013. Acessar a Deep Web não é ilegal. Agora, visitar sites com conteúdo ofensivo, eu realmente não sei dizer. Eu não sei como a Lei define os limites. Ao meu ver acessar um conteúdo apenas não é crime, até porque estaríamos só “navegando”. Fazer uso do conteúdo de alguma forma já seria algo mais sério. Seria o mesmo que prender alguém por “tráfico de drogas” por estar passeando perto da boca. A pessoa pode ter que dar explicações, e dizer o que estava fazendo por alí, mas como ela não está portando nada, como imcriminá-la? Mas francamente, não sei se a legislação brasileira (quiçá mundial) está amadurecida para encarar a filosofia do “virtual” ainda. o imcriminá-la? Mas francamente, não sei se a legislação brasileira (quiçá mundial) está amadurecida para encarar a filosofia do “virtual” ainda. Eu acessei a Deep Web e algumas listas de links populares apenas nas vésperas de escrever o artigo. Como você viu, cheguei a conclusão de que não vale a pena. Assim como acho que não vale a pena ficar andando perto de uma boca de tráfico de drogas, rs… Até+

      1. Muito interessante o seu tópico Odon, eu também tive as mesma conclusões que você da Deep Web quando tive contato, porem não culpo a tecnologia Tor por isso, acho que ela é uma de muitas tecnologias usadas de forma “errada”.
        Mais existe uso legitimo dessa tecnologia, por exemplo vários usuários chineses usam a rede Tor para burlar o firewall chinês que broqueia o acesso a serviços como facebook, twitter entre outros.
        Quanto ao acesso a conteúdo ser crime, eu não sou especialista, mas pelo que eu sei, somete o acesso a pedofilia se enquadra como crime. Você acessar um site de venda de drogas não seria crime como você mesmo falou, porem sua divulgação eu acho que sim, pois deve se enquadrar como associação ao trafico.
        Até mais.

    2. Oi Valdir, então sobre o tal de Undervick… sou fluente em russo, tanto escrita quanto fala, morei 7 anos em Kursk, fui diversas vezes à Moscou e outras cidades da Rússia, e não há nenhum registro literário sobre esse cara… e mesmo o nome dele, nenhuma dessas palavras é sequer russa (me parecem polonesas)… e pelo que pesquisei dele lá e na internet (inclusive nas engines russas), aparentemente foi apenas uma brincadeira dos usuários daquele site BRchan, na época em que ainda era 55chan… enfim, provavelmente esse cara não existe, e é apenas uma historinha fake… acho que fomos trollados hahaha 😛

  2. perfeito os comentarios me fizeram chegar a conclusão que a deep web não é um local sadio, visto isso nem perto passo. obrigado.

    1. Realmente não entendeu. Pois como disse, teoricamente a Deep Web diz respeito a sites “inalcançados”, “escondidos”. Mas parece que virou regra: o que não é preciso esconder, cai na web normal. O que “sobra” na Deep Web, são coisas que vão contra a lei. E se vão contra a lei, as pessoas que querem acessá-los tendem a querer estar anônimas. Mas há como visitar um site na Deep Web que não tem conteúdo ilegal, e vocẽ nao precisaria estar anônimo. Ex: seu colega faz um site pessoal, hospeda num servidor próprio, não conta o endereço pra ninguém e te envia o link por email. Isso também é Deep Web.

  3. E tem alguém que tem alguma coisa da deep web em vídeo ou em foto que possa mostrar como exemplo. Porque todo mundo fala, mas não mostram nada. E as pessoas ficam curiosa para ver se é tudo isso que falam mesmo ou é só exagero. Outros falam de camadas que da 5 em diante parece o inferno.

  4. cara, nem tudo da deep web eh ruim. a maioria é, tem até uns tutoriais de fazer bomba e armas…
    mas tem muita coisa boa. por ser anonima, tem muitos filmes, musicas e livros.
    e as camadas nao existem, sao soh niveis de anonimato. e hackers experientes conseguem rastrear.
    o Anonymus ja fecharam varias redes de pedofilia lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *